Fonte: Portal EcoDesenvolvimento

Resíduos descartados na reciclagem são transformados em combustível para gerar energia/Foto: Fabiane 13

Transformar os resíduos que compõem o lixo em energia elétrica é uma boa alternativa para minimizar os problemas ambientais e de saúde, causados pelos aterros e lixões. Esta prática incomum de produção energética busca, ao mesmo tempo, suprir a demanda da população, que geralmente recorre às fontes não-renováveis, como o petróleo. Transformar os materiais descartados na reciclagem em combustível é uma realidade bem próxima de ser concretizada no Nordeste brasileiro.

Para viabilizar o projeto, o engenheiro civil e ambientalista Joacir Lameu, da Recife Energia, uma das primeiras usinas para tratamento térmico de lixo do país, pretende implantar a iniciativa nos municípios de Porto Seguro e Eunápolis, ao Sul da Bahia, em parceria com as prefeituras locais, que lucrariam com a venda da energia por meio de um consórcio.

Segundo Lameu, ao contrário dos projetos de aterro para utilização de biogás (obtido a partir do metano), o consórcio vai queimar o lixo que não for aproveitado na reciclagem ou que servir para fazer compostos orgânicos, como adubo. “Esta tecnologia existe no mundo há mais de trinta anos, mas no Brasil sempre se pregou que o ideal seria enterrar o lixo, o que não é mais feito em países europeus”, explicou.

Para o engenheiro, o processo de transformação dos resíduos em energia é simples: “Você usa o lixo como se fosse um combustível para gerar vapor e com o vapor se faz a força motriz”. Ele apresentou as tecnologias já existentes para a execução do processo aos prefeitos Gilberto Abade (PSB), de Porto Seguro, e Robério Oliveira (PRTB), de Eunápolis, que se mostraram interessados em oficializar um consórcio entre os dois municípios e a empresa.

Modelos

Atualmente, mil toneladas de lixo são transformadas em combustível derivado de resíduo (CDR) todos os dias, na Recife Energia, o que possibilita alimentar a usina com potência instalada de 24 megawatts – capaz de abastecer uma cidade com 80 mil habitantes. O projeto já está em implantação em Montes Claros (MG), Curitiba, São Paulo e Belo Horizonte.Na capital mineira, o governador Aécio Neves tornou obrigatório o aproveitamento energético do lixo.

“Teremos um país imune de lixões e aterros, que possa deixar para gerações futuras um legado mais ambientalmente correto”, finalizou Lameu.

*Com informações do Radar 64, no site do movimento Ação Ilhéus.

Para mais informações sobre Sustentabilidade: http://www.ecodesenvolvimento.org.br